A EUTANÁSIA NÃO É UMA BOA MORTE

EUTANÁSIA: “NÃO”! ORAÇÃO URGENTE!!!

Etimológicamente, “Eu+tanásia” deriva do Grego: “Eu” (boa) + “Thatanos” (morte). Significa, “morte boa” ou “morte sem dor”.
Amanhã, dia 29/05, na Assembleia da República, serão debatidos e votados os quatro projetos de lei que visam despenalizar e regular a morte medicamente assistida em Portugal.

eutanasia (1)A EUTANÁSIA é uma prática PROIBIDA por DEUS na Sua Palavra, que tem por Mandamento “NÃO MATARÁS“.
Quando Saul, o rei de Israel foi à batalha e ficou gravemente ferido, ele suplicou a um amalequita que o matasse por um “ato de misericórdia”, aplicando a dita Eutanásia; por um homem, a vida foi tirada a Saul.

Quando o amalequita se apresentou a Davi contando o seu “ato heróico”, Davi não aceitou o ato como louvável, mas considerou tal um crime tão grave, que mandou matá-lo de imediato. Está escrito: “quem à espada mata, à espada morre” (Mt 26:52).

Sobre o assunto, o rei Salomão escreveu: “Nenhum homem há que tenha poder sobre o espírito para o reter, nem tampouco tem ele poder sobre o dia da morte” (Ec 8:8).

Há que questionar:
– Quem é o dador da vida?
– Quem decide se uma vida tem ou não valor?
– Quem decide se o sofrimento é ou não suportável?
– Que consequências advêm para a Nação?
– Que legado estamos a semear para as gerações futuras?

Abrindo a legalidade para, com permissão matar pessoas nessas condições, nos habilitamos, futuramente, a acharmos ter poder para também despachar da sociedade os deficientes, os idosos e inválidos, os delinquentes, os marginais e outros que vierem a “parecer indesejáveis” ou os “não rentáveis”, porque a matéria passa também pela questão financeira.

Aceitar e legislar a prática da EUTANÁSIA é uma proposta maligna, também atrelada à questão da permissividade do ABORTO – interrupção voluntária da gravidez (a morte de seres humanos), que além de trazer MALDIÇÃO a toda a NAÇÃO, reflete uma rebeldia atroz e falta de temor ao DEUS CRIADOR, ou mesmo a negação da SUA EXISTÊNCIA, SOBERANIA, AUTORIDADE e PRESENÇA!

* ERGAM-SE OS QUE DOBRAM OS JOELHOS E ORAM!
* APAREÇAM OS PROFETAS E PROFETIZEM À NAÇÃO!
* MANIFESTE-SE A IGREJA QUE TEM AUTORIDADE CONFIADA PELO REI DOS REIS E  SENHOR DOS SENHORES!

Os que somos pela BÍBLIA, digamos “SIM à VIDA” – “NÃO à MORTE”!!

Ap. Carla Melo

Shalom!

Anúncios

ISRAEL É O NOSSO IRMÃO MAIS VELHO

17361575_10154492776415765_7222090273771700225_n.jpgEstamos contando os dias para estarmos em Israel com um grupo de 55 pessoas para juntos celebrarmos ao Senhor pelos 70 anos daquela nação. Hoje começaram as celebrações em Israel… Foi no dia 14 de Maio de 1948 que Israel tornou-se numa nação independente – foi a figueira que brotou e foi restaurada.

Há dias, alguém me perguntou porque nos envolvemos “tanto” com Israel. A pessoa chegou a dizer que o dinheiro que gastamos indo a Israel todos os anos, dava para conhecermos outros lugares onde ainda não fomos.
O nosso envolvimento com aquela nação não tem nada a ver com uma visita turística ou uma peregrinação espiritual; vai muito além disso. O nosso envolvimento com Israel tem a ver com entendimento, com a revelação que temos do que aquela nação representa, não só na vida de todos os cristãos, mas do mundo inteiro, pois Israel é o relógio da História. A declaração de cada crente em Jesus deve ser a mesma de Rute (gentia) para Noemi (judia): “O teu povo será o meu povo” (Rt 1:16).

Eis aqui algumas das razões que creio serem suficientes para nos levar a amar, a mobilizar intercessores e a investir em Israel:

ISRAEL É O
FILHO PRIMOGÉNITO

Deus disse isso para Faraó através de Moisés. Porque Faraó oprimiu e não quis libertar o seu filho mais velho, ele tirou todos os primogénitos do Egito, incluindo o filho de Faraó: “Então dirás a Faraó: Assim diz o Senhor: Israel é meu filho, meu primogênito. E eu te tenho dito: Deixa ir o meu filho, para que me sirva; mas tu recusaste deixá-lo ir; eis que eu matarei a teu filho, o teu primogênito” (Ex 4:22-23).

Amar e honrar a Israel é como honrar o nosso irmão mais velho. Jesus veio como Filho Unigênito do Pai, a fim de tornar-se no “Primogénito dentre muitos irmãos”, para trazer de volta os dois povos, judeus e gentios para o Pai: “Porque ele (Jesus) é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades” (Ef 2:14-16).

ISRAEL É A RAIZ, E NÓS,
OS RAMOS ENXERTADOS NA OLIVEIRA

Paulo disse que Israel é a “oliveira verdadeira” e nós os ramos enxertados nela, e que somos sustentados por Israel, a raiz: “E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti” (Rm 11:17-18) – Se você ler o capítulo todo, vai ver que Paulo está a falar sobre Israel como a oliveira verdadeira.

DEVEMOS ORAR E ABENÇOAR
A JERUSALÉM

 Você ora pela paz de Jerusalém? Você está atento a tudo o que tem acontecido naquela cidade? Deus diz-nos na sua Palavra: “Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus palácios. Por causa dos meus irmãos e amigos, direi: Paz esteja em ti. Por causa da casa do Senhor nosso Deus, buscarei o teu bem” (Sl 122:6-9).

 A SALVAÇÃO
VEM DOS JUDEUS

Foi Jesus quem disse isso para a Mulher Samaritana em João 4:22: “Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus”. Israel preservou e nos deu o Antigo e o Novo Testamentos, nos deu os Patriarcas, os Apóstolos e nos deu Jesus.

CADA CRENTE EM JESUS
É FILHO NA FÉ, DE ABRAÃO

17353250_10154482442055765_8382370653734379066_n.jpgAbraão foi o primeiro Patriarca e nosso pai na fé, e todos os que estão em Jesus, descendente de Abraão, são filhos dele também: “… Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: E às descendências, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua descendência, que é Cristo. E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa” (Gl 3:16, 29). Os filhos devem abençoar, orar e honrar o seu irmão mais velho, Israel.

ABENÇOAR OS DESCENDENTES DE ABRAÃO
É SER ABENÇOADO 

Quando Deus mandou Abraão sair da sua terra para ir a uma terra que ele lhe mostraria, a terra de Canaã, Israel, ele lhe deu tremendas promessas. Dentre elas, o Senhor disse que nele e na sua descendência todas as famílias da terra seriam abençoadas e que a sua descendência física (como a areia da praia) e espiritual (como as estrelas do firmamento) seria numerosa. Mas Deus fez-lhe uma tremenda declaração, dizendo: “E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” (Gn 12:3).

Quem fala mal de Israel e coloca-se contra o seu povo, não está atraindo o favor do Senhor sobre si e sobre a sua casa. Deus ama a Israel e todos aqueles que abençoam o que Deus ama, são abençoados por ele.

JERUSALÉM É O CENTRO DA TERRA
E DA HISTÓRIA

Aprouve a Deus colocar Jerusalém no centro da Terra e ser o relógio do seu Tempo Kairós. Jesus disse que devemos “olhar para a Figueira”, a fim de identificarmos os sinais dos tempos. Israel é a figueira que brotou novamente há 70 anos – uma geração de muita restauração nesse cenário profético. O Senhor disse: “Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez 5:5).

DEUS NÃO DESISTIU
DE ISRAEL

Infelizmente, há uma corrente teológica conhecida como a “Teologia da Substituição”, que acredita ter Deus desistido de Israel e trocado o povo judeu pela Igreja. Não, Deus não desistiu de Israel e nem dos judeus. A Igreja foi enxertada no plano redentivo de Deus para Israel e, a redenção de Israel passa pela Igreja, mas ela é parte dos planos do Senhor para os dois povos: judeus e gentios. 

Embora Israel se tenha afastado do Senhor, rejeitando a Jesus Cristo, o seu Filho, chegará o dia (e será muito em breve) que o véu dos olhos do entendimento será tirado, e Israel será salvo, ao reconhecer a Jesus como o Senhor, como Adonai.

Em Apocalipse 7, podemos ver um dos relatos bíblicos sobre como Deus ainda usará os judeus convertidos na proclamação do Evangelho a todas as nações: “E ouvi o número dos selados, e eram cento e quarenta e quatro mil selados, de todas as tribos dos filhos de Israel… Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; e clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro” (Ap 7:4,9). Quem trará diante do trono de Deus essa tão grande multidão, com pessoas vindas de todas as nações? Os 144.000, que serão as primícias dos judeus convertidos durante o período da grande tribulação, vindos das doze tribos de Israel. Eles glorificarão o nome do Senhor no final dos tempos trazendo a ele uma grande colheita de almas.

Espero que estas simples explicações possam fazer com que você passe a amar mais e a orar mais pela paz de Israel.

Shalom!

AME A PALAVRA

BíbliaNão há poder maior neste mundo do que o da Palavra. Ela é mais poderosa do que qualquer bomba nuclear. Ela abala Céus e Terra. Tudo se curva ante ao seu poder. O inferno estremece ante a sua autoridade.
Está escrito!“. Quando o Senhor pronunciou essas palavras, o diabo fugiu. Satanás não consegue enfrentar a espada do Espírito que é a Palavra de Deus. Na fase mais aguda de ameaças à sua vida, Lutero recebeu oferecimento de amigos e admiradores que se propunham defendê-lo pelas armas. Lutero recusou dizendo: “Eu não vou apelar para armas e derramamento de sangue para a defesa do Evangelho. Foi pela pregação da Palavra que o mundo foi conquistado; pela Palavra a igreja foi salva; é pela Palavra que ela há ser restaurada. Eu não vou depender de ninguém senão de Jesus Cristo e sua Palavra. Voltaire, o maior ateu do século dezanove, afirmou que o Cristianismo era uma religião falida e que ele destruiria a Bíblia. Vinte e cinco anos após sua morte, a casa onde Voltaire morreu foi comprada por uma Sociedade Bíblica e é hoje a maior editora de Bíblias do mundo. Jesus disse: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar” (Mt 24:35).
Li na Internet que na Nova Zelândia, na Biblioteca de Auckland, o livro mais roubado é a Bíblia! A Bíblia, porém, tem sobrevivido em circunstâncias adversas. Em 303 A.D., o imperador Dioclécio decretou que todos os exemplares da Bíblia fossem queimados. A Bíblia é hoje encontrada em mais de mil línguas e ainda é o livro mais lido do mundo. Como dizia D.L. Moody sobre a Bíblia: “Ou este livro me afasta do pecado ou o pecado me afasta deste livro“.
Entre os vários conselhos que Paulo deu a Timóteo, seu filho na fé, a quem ele estava a treinar para ser um pastor, estava a recomendação de aplicar-se ao estudo da Palavra. Paulo disse a Timóteo que sua mãe Eunice e sua avó Loide já lhe haviam ensinado a Palavra (2 Tm 3:14-17). Paulo disse que Timóteo deveria “manejar bem a Palavra da verdade” (2 Tm 2:15).
Conhecer a Palavra vai mais além do que simplesmente saber qual o maior capítulo, o menor versículo, quantos discípulos tinha Jesus, quem foi a bisavó de David, quem era canhoto ou gordo! Conhecer a Palavra é se aprofundar na revelação de Deus à Humanidade. É deixar que ela nos limpe a cada dia, como Paulo ensina a propósito da Igreja: “Para a santificar, purificando-a com a lavagem de água, pela palavra” (Ef 5:26).

Extraído do livro Sendo parte de uma Geração Profética
Cindi Angelo / 2008
Shalom!

CICLOS

A caminhada ministerial é feita de ciclos. Vivemos as estações naturalmente a cada novo ano, e elas nada mais são do que ciclos que se abrem e se fecham. Há projetos que têm começo, meio e fim, e assim o Senhor vai construindo algo em nós e através de nós nos ciclos que são abertos e fechados. Não podemos subestimar o poder das estações, elas são poderosas ferramentas de Deus para nos alinhar ao seu propósito. Nenhum ciclo é perpétuo, assim como nenhuma estação o é, embora esteja sempre se repetindo.

Um coração que está alinhado com o projeto original de Deus discerne em maturidade quando um ciclo começa e quando se fecha. Ele sabe que Deus não costuma fechar um ciclo a fim de desestabilizar um filho seu, mas para que ele viva níveis mais profundos a cada nova etapa da sua vida.  Deus sempre trabalha primeiro em nós, para depois trabalhar através de nós.
Se você tem sentido o seu coração pulsando por ver o novo de Deus acontecendo em nossa geração e tem sido levado a orar pela transformação da nossa sociedade e igreja, esse sentimento pode ser uma das evidências de que Deus está a começar um novo ciclo ministerial em sua vida. Ele começa um novo ciclo quando nos quer levar para novos níveis, e faz isso quando somos aprovados no nível anterior.

Há muitas pessoas que não passam de fase, o ciclo não se fecha, e as provas são sempre as mesmas e nas mesmas áreas onde o caráter ainda não foi lapidado. Enquanto não permitirmos que Deus use os sofrimentos para nos moldar, continuaremos perdendo tempo, sem sair do lugar.

Foi isso o que aconteceu com o povo de Israel no deserto. Eles saíram do Egito com destino a Canaã, a terra prometida por Deus a Abraão, a Isaque e a Jacó, mas infelizmente, por não se deixarem tratar, eles foram morrendo ao longo dos quarenta anos que passaram dando voltas no deserto. Somente Josué e Calebe entraram em Canaã, dos que saíram da escravidão. Os outros que entraram eram jovens com menos de vinte anos.

Certa vez, Davi fez uma oração poderosa: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova dentro de mim um espírito inabalável” (Sl 51:10). O coração inabalável que Deus precisa usar no ministério é provado no meio do fogo a que somos expostos. Deus quer nos usar de uma forma poderosa para influenciarmos a nossa geração, mas precisamos deixar que ele termine a sua obra em nossa vida. Deus quer confiar em nós.

Shalom!

A SÍNDROME DE AITOFEL

para blog

Você é do tipo de pessoa que quando algo não sai do seu jeito ou quando uma opinião sua não é aceita, fica amargurado e com pensamentos de revolta? Isso acontece frequentemente com pessoas que não são maduras e bem resolvidas o suficiente para lidarem bem com os “nãos” que recebem na vida, e por isso, estão sempre à mercê de sentimentos nocivos à própria saúde.
Foi o caso de Aitofel. 

Aitofel foi um dos conselheiros pessoais do Rei Davi, que tornou-se num traidor quando se uniu a Absalão para dar um “golpe de estado”, na tentativa de tomar o trono. Quando o conselho que deu a Absalão foi rejeitado, ele ficou amargurado. Então pôs fim à própria vida: Vendo, pois, Aitofel que se não tinha seguido o seu conselho, albardou o jumento, e levantou-se, e foi para sua casa e para a sua cidade, e deu ordem à sua casa, e se enforcou e morreu, e foi sepultado na sepultura de seu pai” (2 Sm 17:23).

Essa é uma das síndromes que são fruto de uma alma doente, mas que tem uma razão muito mais profunda: o afastamento de Deus.

A maioria das disfunções emocionais, como a manipulação, o controle, o autoritarismo, a possessividade e a auto-comiseração, estão relacionados à falta de Deus no coração. Uma pessoa onde a presença de Deus flui em sua vida, é definitivamente bem resolvida e equilibrada.

Quando buscamos seguir a Jesus de verdade, experimentamos a sua paz, seja quando passamos pelos “pastos verdejantes” ou pelos “vales da sombra da morte” (Sl 23).

Ninguém gosta de ter a sua vontade contrariada, mas precisamos aprender que a vida não é um grupo de crianças que brincam de casinha anos-a-fio. Viver é um desafio que envolve passar por ciclos e estações, buscando crescer e agir com responsabilidade e com equilíbrio. Matar ou morrer não é a solução, e nenhum dia difícil dura para sempre. Vivemos estações que se repetem. Faz parte da jornada da vida! 

Um dos graves problemas da nossa geração é que ela tem sido uma geração de meninos, não de homens e mulheres responsáveis e maduros. É a geração que se relaciona mais com as inteligências artificiais e com seus aparelhos tecnológicos do que com pessoas experientes. Milhares de crianças crescem apenas no tamanho e na idade, mas não na mente. São meninos no entendimento, que entram no mundo virtual achando que aquilo é que é a vida real. Não é de admirar que muitos que tiram a própria vida ou sentem-se mortos para ela, vivem num mundo de fantasias que eles mesmos criaram. Quantos jovens hoje, que assim como eu, amam se sentar ao pé dos mais velhos para ouvir suas histórias e receber os seus conselhos? 

Creio que Aitofel (como muitos de nós) ignorou a história de Caim, que por não sido aprovado perante o Senhor, e por inveja, matou o seu irmão Abel.
Antes de Deus olhar para o que Caim e Abel traziam perante ele, ele atentou para o coração de cada um: “… atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou” (Gn 4:4-5). E como reagiu Caim? “Irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante” (v. 5).

Deus alertou a Caim, antes dele matar a seu irmão, dizendo: “Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar” (Gn 4:7).

Que o Senhor transforme o nosso coração e nos dê uma nova mente. Não precisamos de mensagens de auto-ajuda que tentam nos ajudar a termos pensamentos melhores. O que precisamos é de uma NOVA MENTE, não de bons pensamentos ou pensamentos positivos. Quando tivermos a mente de Cristo, tudo entrará em ordem e viveremos uma vida plena em Deus, pois a sua mente só tem pensamentos alinhados ao céu.

Shalom!

Quando temos a consciência do quão abençoados temos sido por Deus, nos tornamos numa benção, partilhando do que temos e do que somos em nossa geração.

A bênção de Deus sempre tem por objetivo tocar as nações.

TER não vale nada quando não SOMOS!!!

“Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. PARA que se conheça na terra o teu caminho, e entre todas as nações a tua salvação” (Sl 67:1-2)

“Sê tu uma bênção”! (Gn 12:2)

Shalom!